UZI magazine
 Disco da semana  Filme da semana  Agenda cultural  Roteiro
 »Early  »Wanda  »Quintas de Leitura  »Sacramento Bar
i
ndex
   
m
úsica
  notícias
  comentários
  uzi_chart
  fib 2004
   
c
inema
  notícias
  comentários
  ante-estreia
  cine cartaz
   
d
iscurso directo
   
a
genda cultural
   
o
olho de Dalí
   
v
iva las vegas
   
u
zine
  manifesto
  galeria
  links
  ficha técnica
   
 
 
 
index » música » fib 2004
 
TAKE ME IN!
 
TAKE ME IN!
 
O Festival Internacional de Benicàssim – FIB - é o maior festival de música independente da Europa. Contudo, consegue ainda ser mais do que isso. São cinco dias em que a música é a palavra de ordem, numa atmosfera de bem-estar, onde apetece guardar na memória todos os segundos, para durante o ano recordar com um sorriso nos lábios.

O assustador “espírito de festival” que parece mover grande parte do público dos festivais portugueses, que vê nos festivais de Verão uma oportunidade de arraial contínuo, com concertos em pano de fundo, não tem lugar em Benicàssim. Aqui, os cartazes não são desequilibrados, nem repetitivos e a música é o mais importante, aquilo que mobilizou, de 5 a 9 de Agosto, cerca de 30 mil pessoas (30% estrangeiras), por dia, à espanhola Costa Azahar.

Este ano o FIB comemorou o seu décimo aniversário e, para lhe dar os parabéns, mais de 70 grupos dividiram-se por 6 palcos (Escenario Verde, Fiberfib.com/Hellomoto, Kane NYC FIB, Chill Out FIB Heineken, Mustang Fashion Week) numa celebração em que o público foi o convidado de honra. Em 1994, o pequeno FIB prometia tornar-se um evento único, capaz de colocar a pacata cidade de Benicàssim no roteiro musical de louvor à música espanhola e internacional. Como prova do seu carácter visionário encontravam-se no cartaz desse ano uns ainda pouco conhecidos “Supergrass” que este ano comemoram também o décimo aniversário de uma carreira recheada de hinos pop.

Em 2004 o valor inestimável do FIB é uma certeza. Não só se transformou no maior festival independente da Europa, como consegue mostrar todos os anos uma capacidade de crescimento inteligente que passa quer por pequenas melhorias nas já de si boas infra-estruturas, quer pelos cartazes de um gosto e qualidade irrepreensíveis que obrigam a um estudo meticuloso dos horários das diferentes actuações.

Mais uma vez, a história da música contou-se em Benicàssim, em capítulos que passaram pelos anos 60 de Brian Wilson, o choque de Arthur Lee, a electricidade contemporânea dos Primal Scream, a surpresa aérea de Morrisey, a sempre bem-vinda presença dos Belle and Sebastian e o single do ano – Take me Out, dos Franz Ferdinand. Pedaços de uma merecida festa de aniversário que daqui a menos de 365 dias reinventar-se-á.(JN)
 «
 
 

 

   

© UZI magazine 2004
2017-11-24
alojamento: RealFastMedia.com