UZI magazine
 Disco da semana  Filme da semana  Agenda cultural  Roteiro
 »Early  »Wanda  »Quintas de Leitura  »Sacramento Bar
i
ndex
   
m
úsica
  notícias
  comentários
  uzi_chart
  fib 2004
   
c
inema
  notícias
  comentários
  ante-estreia
  cine cartaz
   
d
iscurso directo
   
a
genda cultural
   
o
olho de Dalí
   
v
iva las vegas
   
u
zine
  manifesto
  galeria
  links
  ficha técnica
   
 
 
 
index » o olho de Dalí
 
¡Hay Motivo!
 
¡Hay Motivo!
 
Poucos dias depois do massacre de Madrid, um grupo de 32 cineastas espanhóis apresenta o filme “Hay motivo” (a tradução portuguesa, a ser fiel, será “Há motivo”) – um filme de longa-metragem feito de pequenas peças, uma série de 32 curtas-metragens realizadas (e autofinanciadas pelos próprios realizadores) com o objectivo de fazer um balanço dos problemas que rodeiam a sociedade do seu país.
“Hay motivo” é um ponto da situação “necessário e legítimo”, tal como definiu Pedro Almodóvar no dia da apresentação do projecto à imprensa, que conta com a participação de realizadores de perfil tão variado como Isabel Coixet (Things I have never told you, ou o aclamado Mi vida sin mi), Julio Medem (realizador do polémico La Pelota Vasca), David Trueba (Soldados de Salamina), Juan Diego Botto (famoso actor Argentino – espectacular en Martin (H) de Adolfo Aristarain), Vicente Aranda, El Gran Wyoming entre muitos outros grandes artístas do país vizinho.

A direita espanhola, derrotada rotundamente nas últimas eleições, usou sempre a velha técnica de atacar o mensageiro e não se preocupou nunca com a mensagem. Acusou os artistas espanhóis (sobretudo realizadores e actores) de serem demasiado ambíguos enquanto à repulsa ao terrorismo – ninguém esquecerá facilmente a polémica criada à volta da entrega dos prémios Goya do ano passado, em que o Governo qualificou de “propaganda de esquerdas” as mensagens de “Não à guerra” que alguns artístas levavam no peito – acusação injusta e absolutamente demagógica, como este projecto vem, de novo, demonstrar.
A pressão que sofrem os cineastas por parte do governo – afinal de contas, a indústria de cinema espanhola depende em grande parte dos apoios estatais – não parece ter funcionado como previsto, ninguém baixou a cabeça e fechou os olhos à governação desastrosa do governo do Partido Popular espanhol. Antes pelo contrário, parece ter animado as gentes a sair à rua e influenciado na forte determinação dos cineastas em analisar e denunciar os problemas desta sociedade tão manipulada pelas forças estatais.
As 32 curtas-metragens podem ser vistas gratuitamente em www.haymotivo.com. Aqui encontramos também um manisfesto assinado por todos os realizadores. (AF/Barcelona)
 «
 
 

 

   

© UZI magazine 2004
2017-09-22
alojamento: RealFastMedia.com