UZI magazine
 Disco da semana  Filme da semana  Agenda cultural  Roteiro
 »Early  »Wanda  »Quintas de Leitura  »Sacramento Bar
i
ndex
   
m
úsica
  notícias
  comentários
  uzi_chart
  fib 2004
   
c
inema
  notícias
  comentários
  ante-estreia
  cine cartaz
   
d
iscurso directo
   
a
genda cultural
   
o
olho de Dalí
   
v
iva las vegas
   
u
zine
  manifesto
  galeria
  links
  ficha técnica
   
 
 
 
index » cinema » comentários
 
Imagens da Viagem
 
Imagens da Viagem
 
Nos Estado Unidos da América, o ano de 1971 é comummente referido como o Ano Louco. Enquanto meia nação ressacava do “Summer of Love” de há dois anos, um terramoto devastava Los Angeles. Na capital, o tal sítio do Capitólio, são detidos 12.000 militantes pacifistas que protestavam contra a Guerra do Vietname. Longe, numa banheira em Paris, aparecia morto um dos que dava mais viva voz aos filhos renegados do governo americano - Jim Morrison.

Antes do ano acabar, e antes de “Laranja Mecânica”, de Stanley Kubrick, classificado como “ultra-violento” pelas autoridades, ter ganho o prémio de melhor filme pela Associação de Críticos de Cinema de Nova Iorque, e antes de a revista Time ter considerado Richard Nixon, o presidente escandaloso, como o “Homem do Ano”, era publicado o número 95 da revista Rolling Stone, a edição comemorativo do quarto aniversário. Na capa destacava-se a história “Fear and Loathing in Las vegas”, assinada por Raoul Duke, alter-ego do jornalista e escritor Hunter S. Thompson. A história, publicada em Outubro desse ano louco e mais tarde editada em livro, tinha-se passado em Abril, quando Hunter e o advogado e activista samoano Óscar Zeta Acosta rumaram a Las Vegas, a bordo de um descapotável vermelho a que chamavam “The Red Shark”. Como se costuma dizer, o resto é história e esta deu um filme.

Realizado por Terry Gilliam, autor de “Rei Pescador” e “Brasil”, e também um ilustre membro dos Monthy Phyton (são dele, por exemplo, as animações), “Delírio em Las Vegas” é um filme que qualquer intrépido cinéfilo consome vezes sem conta.
Neste “road-movie”, ou “trip-movie”, se quiserem, uma viagem misteriosa à cidade do jogo serve de pretexto para se narrar a transformação do propalado sonho americano num imenso pesadelo, grotesco. As vibrações e os estados de espírito que povoam o filme oscilam a uma vertiginosa velocidade entre o horror e o riso, entre a agonia e a hilaridade. Enfim, nada que uma mala, transportada pelos protagonistas, pejada de ácidos, cocaína, éter, mescalina, erva e comprimidos de muitas cores não proporcione.

E que protagonistas são estes? Um Johnny Depp calvo e um Benicio Del Toro de barriga farta. Depp, o melhor actor vivo, é o próprio Raoul Duke, de cigarro enfiado numa boquilha arrumada num canto da boca e membros superiores com visíveis dificuldades de coordenação motora, faz da sua representação um verdadeiro exercício de resistência. Uma alucinação. Tal como, de resto, Benicio, que transpira selvajaria por cada grama a mais que incorpora na pele de Óscar Zeta Acosta. Juntos, conseguem neste filme uma quantidade impressionante de cenas de antologia da história do cinema. A “decorar” quartos de hotel ou delirando nos casinos frequentados pelas felizes famílias americanas, os dois são inesquecíveis.

Mas, sendo este um filme do chamado “cinema de autor”, não se pode menosprezar o dito. Porque Terry Gilliam é o hábil criador de um admirável mundo novo, o artífice dos ambientes delirantes e da Las Vegas fantasmagórica. Da cena inicial até à derradeira, as imagens são todas devidamente tratadas de forma a parecerem uma alucinação constante - distorcida e bela. As cores e as texturas, os ângulos de filmagem, os planos, a cenografia - tudo se conjuga e interage como nos sonhos. Ou melhor, nos pesadelos.

Numa breve vigília num quarto de hotel, antes do sono se metamorfosear no pesadelo, Raoul Duke escreve no seu caderno de apontamentos: “Havia loucura em todas as direcções, a todas as horas. Podíamos acender charros em todo o lado. Havia um fantástico sentimento universal de estarmos a agir bem, de estarmos a ganhar. E penso que isso era a forma de lidar com um sentimento de inevitável vitória sobre as antiquadas forças do mal, não num sentido militar ou mesquinho. Não precisávamos disso. A nossa energia triunfaria, simplesmente. Tínhamos todo o ímpeto. Estávamos na crista de uma alta e belíssima onda.”
Experimentem.(HP)
 «
 
Título Delírio em Las Vegas
Realizador Terry Gilliam
Actores Johnny Depp, Benicio Del Toro, Tobey Maguire, Ellen Barkin, Gary Busey, Christina Ricci, Mark Harmon, Cameron Diaz.
Ano 1998
Guião www.dailyscript.com/scripts/fearandloathing
 

 

   

© UZI magazine 2004
2017-08-21
alojamento: RealFastMedia.com